Nome/Razão Social
Produto
Cadastros p/ UF Mun

Logon
Logoff
Me Cadastrar
Alterar meus dados
Colocar meu Link
Ver Links

Ver Cursos

Abelhas Nativas ASF
Espécies x UF

Colocar Pago
Colocar Grátis
Ver Anúncios

Abelhas Nativas ASF
Abelhas APIS
Outros Assuntos

Ver tópicos

Cadastrar / Enviar
Ver / Ler

Mala associativa
Mala comercial
Mala comercial HTML

Bloco de Notas
Favoritos
Últimos Cadastrados
Fornecedores
RSS

Minhas Receitas
Ver Receitas

Fale conosco
Convide um Apicultor

O Que é APISGUIA
Quem somos
Porque é Grátis
Porque me cadastrar
O que é COD-ID
CBA FED ASSOC.
Autorizações
Problemas eventuais

Estatísticas
Estatísticas 2
 
Visitas após 07/2005
3.983.827
IP: 162.158.79.89


Informativo - nº062 - Janeiro de 2008 - FARGS Federação Apícola do Rio Grande do Sul
Nome: FARGS Federação Apícola do Rio Grande do Sul
Endereço: Avenida Bento Gonçalves, 7712
Bairro: Agronomia
CEP: 91540000
Município - UF: Porto Alegre - RS
E-mail: MANDAR E-MAIL
- Informativo -
INFORMATIVO DA FARGS N°62 CIRCULAR DE INFORMAÇÃO DA
FEDERAÇÃO APÍCOLA DO RIO GRANDE DO SUL
Fundada em 8 de agosto 1997
Avenida Bento Gonçalves,7712
FACULDADE DE AGRONOMIA – UFRGS Departamento de Fitotecnia –CEP
91540-000-PORTO ALEGRE-RS
CNPJ 03.614.266/0001-12.
Editores: Aroni Sattler e Silvio Lengler
E-mail: aronisattler@yahoo.com.br
slengler@uol.com.br

Tiragem: 120 exemplares Janeiro/fevereiro de 2008
Apoio: Faculdade de Agronomia – UFRGS.

EDITORIAL –
FIM DA BARREIRA EUROPÉIA AO MEL BRASILEIRO.

Com a informação recente, da queda da barreira européia às importações de mel do
Brasil, ficam algumas lições sobre a dinâmica da globalização no comércio mundial de
alimentos. A qualidade dos produtos consumidos passou a ser o item principal na
negociação entre vendedor e comprador. Quem compra e pode pagar pela qualidade, faz
suas exigências, cabe ao produtor-vendedor barganhar no âmbito das suas limitações. O
mel brasileiro sempre foi de qualidade, mas faltava capacidade de comprovação. Com a
solução deste problema encaminhado pelo Ministério da Agricultura, sob pressão da CBA
(Confederação Brasileira de Apicultura) e ABEMEL (Associação Brasileira de Exportadores
de Mel), deveremos adotar novos comportamentos na cadeia produtiva do mel, visando
manter a fama do mel brasileiro: livre de resíduos e contaminantes.
Na última semana de fevereiro o Sistema de Alerta Rápido para Alimentos da Comunidade
Européia, notificou a presença de substâncias proibidas em Geléia Real da Turquia
importada pela Inglaterra e no mel da Argentina exportado para a Espanha. Como
conseqüência, o produto foi devolvido aos países de origem.
Portanto, a queda da barreira não resolve todo problema, mas apenas parte
dele. Agora cabe-nos a implantação de um programa nacional de qualidade na cadeia
produtiva do mel para mantermos a “boa fama” não só para a exportação, mas também
para o consumo interno que é o nosso grande filão, inexplorado.
Afinal, o brasileiro também merece alimento de qualidade.

XIII SEMINÁRIO ESTADUAL DE APICULTURA
XII FEIRA ESTADUAL DE PRODUTOS APÍCOLAS - EXPOAPIS
VII ENCONTRO ESTADUAL DE MELIPONICULTURA
IX CONCURSO ESTADUAL DE QUALIDADE DO MEL
7 A 9 DE AGOSTODE 2008 – PELOTAS/RS
CAMPUS DAUNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS
Programação no próximo Informativo da FARGS

Novo site da FARGS: WWW.FARGS.ORG


FARGS PARTICIPA:
ATIVIDADES DO PRESIDENTE (Aroni Sattler).
Reunião Técnica na Macro-região da Emater de Erechim.
No dia 28 de fevereiro participamos de reunião técnica, a convite do Coordenador Estadual
de Apicultura da Emater, Eng. Agr. Dulphe Pinheiro Machado Neto, organizado pelo ATR
de Erechim Carlos Alberto Angonese. Inicialmente ouvimos um relato do grupo de trabalho
regional sobre as principais dificuldades que os apicultores do Alto Uruguai vem sofrendo.
Entre elas destacamos: dificuldades na comercialização do mel e seu baixo preço,
deficiente organização de associações em vários municípios, falta de contato com
instituições afins (Fargs, Sebrae, Senar, Câmara Setorial, Comitê Gestor, etc.), perdas de
abelhas pelo uso indiscriminado de agrotóxicos, carência de infra-estrutura de
beneficiamento e processamento da produção ( casas do mel e entre-postos). Entre os
aspectos positivos pudemos constatar:
Entre Rios do Sul - planejamento e execução de feiras e divulgação do mel em escolas,
inclusão do mel na merenda escolar, festividades no “Dia do Apicultor” com janta incluindo
pratos típicos a base de mel;
Aratiba – Ampliação do quadro social da Coopermel com entre-posto sifado.
Maximiliano de Almeida – Maximel com entre-posto da Associação com SIF já liberado.
Getúlio Vargas – formação e consolidação de um núcleo de apicultores de municípios
vizinhos (Sertão, Estação, Erebango e outros).

ATIVIDADES DO 2ª VICE-PRESIDENTE (Gerson Fensterseifer)
O Gerson vem participando ativamente de reuniões e contatos na organização do XIII
Seminário Estadual de Apicultura a ser realizado em Pelotas.

ATIVIDADES DO 2ª VICE-PRESIDENTE (Silvio Lengler)
Reunião dos apicultores do território central do Rio Grande do Sul.
No dia 14 de fevereiro de 2008, reuniram-se, em Santa Maria, (09h30min h - 17h00min h)
apicultores, técnicos do Ministério Desenvolvimento Agrário, (MDA) SEBRAE, EMATER e
Secretários Municipais para traçar os objetivos e metas para desenvolver a Cadeia
Produtiva do Mel do Território Central do RS. A região é formada por 35 Municípios, sendo
que compareceram representantes dos Municípios de Santa Maria, Itaara, São Martinho,
São Sepé, Julio de Castilhos, Tupãciretan, Agudo, Cachoeira do Sul, Ivorá, Nova Palma,
Cacequi, Jaguari, Santiago e Jarí. A FARGS foi representada pelo 2º Vice Presidente, Silvio
Lengler que na oportunidade se colocou a disposição para apoiar como parceiro com MDA,
SEBRAE, EMATER e Secretárias Municipais com vistas a desenvolver a Cadeia do Mel,
destes 35 Municípios que integram o Território Central.
TERRITÓRIO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL
Esta região tem como município pólo Santa Maria, o qual tem uma população de 243.611
habitantes, seguido de Cachoeira do Sul com 87.873, Santiago 52.138 e São Sepé com
24.621. Na faixa dos 20 mil habitantes estão Tupanciretã, São Francisco de Assis e Júlio de
Castilhos. Já os demais municípios estão abaixo dos 20 mil habitantes e compreendem
apenas 27% da população total da região. Por outro lado, a região Central representa
apenas 6% da população total do Estado. Sobre o ponto de vista da classificação entre a
população urbana e rural, a região Central apresenta percentuais de 77% urbana e 23%
rural, contra respectivamente, 82% e 18% do Estado. Como se observa nos números, a
região tem percentual de urbanização menor da média geral do Estado. As atividades mais
representativas estão no setor terciário, segundo o percentual identificado pela PO com
idade superior a 10 anos na atividade sobre o total da PO na região, são: comércio,
reparação de veículos automotores, objetos pessoais e domésticos com participação de
15,2%. Para estas atividades os municípios que concentram a maior parte da PO da região
são: Santa Maria, Cachoeira do Sul e Santiago com 69,9%. Esta mesma situação se
observa nas atividades de prestação de serviços domésticos, cujo percentual da PO é de
8,3% do total de pessoal ocupado na região e deste percentual 63,3% está concentrado
nos mesmos municípios acima citados. Já sobre o setor primário, identificado pelas
atividades da agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e pesca, a
representatividade em termos de VAB na região é de 25,43% e com relação à PO é de
26,5%. Os municípios de Cachoeira do Sul, Agudo e Santa Maria, são os que possuem
maior percentual de participação nestas atividades somando 27,8% de PO. Na atividade
agropecuária os produtos são bem diversificados, não apresentando uma especialização
com vantagens locais comparadas a outras regiões limítrofes e ao Estado. Os produtos que
mais se destacam são: noz, cana de açúcar, amendoim, bovino, arroz, fumo, batata
inglesa, eqüino, ovinos e batata doce. Portanto, através destes dados podemos chegar a
uma primeira conclusão, ressaltando que uma análise mais apurada através de dados
primários se faz necessária para afirmações mais precisas, que a Região Central do
Estado possui bom nível de apropriação interna do excedente. E dessa forma, se
apresenta como um potencial ao desenvolvimento endógeno de atividades econômicas
internas e solidárias. A Segunda conclusão é que os recursos estão sendo mal distribuídos,
no caso da terra e da renda, e mal utilizados no caso da estrutura do trabalho.
Representado um gargalo ao desenvolvimento uniforme, mas ao mesmo tempo, um
potencial ao trabalho solidário e com responsabilidade social, por isto a necessidade de um
programa com esta abrangência. Veja mais informações no site
www.territoriocentral.com.br.
NOTÍCIAS –
- O Presidente da COOAPI, Sr. Cláudio Neis comunica a realização e convida a todos para
participarem da III FEIRA DE MEL, ROSCA E NATA – 22 à 25 DE MAIO DE 2008 – FEITORIA
NOVA – PONTE DO IMPERADOR , IVOTI/RS. Na próxima edição estaremos divulgando a
programação desta festa que já tem marca registrada pela competência do Cláudio e de
seus colaboradores em Parceria com a Prefeitura Municipal e da Emater.
- A COOAPI também estará sediando o 3º Encontro de Oportunidades para a Apicultura
dos Vales em Ivoti no dia 14 de junho de 2008. Oportunamente estaremos divulgando a
programação deste evento.
- Principais atividades da ACAPI (Cachoeira do Sul) em 2008
– 2º Jantar Sabor ao MEL, Arroz e Nozes, dia 12, às 20h30min, no Salão de festas da
Igreja São José, na Av. Brasil, juntamente com a 2ª Clínica Tecnológica de Preparo de
Alimentos a Base de Mel, treinamento gastronômico para 20 pessoas entre chefs de
restaurantes e pessoas interessadas no aprendizado no uso do mel na culinária. Como
conseqüência teremos o jantar para 300 pessoas que irão saborear o resultado nas 16
receitas, nas quais o arroz e as nozes, produtos importantes do município estão integrados
no cardápio. É dançante. Convite R$ 15,00.




MAIO – 1º Encontro Regional de Apicultura Juntos para Competir; 7ª Jornada Técnica de
Apicultura de Cachoeira do Sul; 3ª ExpoApis, dia 17, das 8 às 18h, no Campus da ULBRA
Cachoeira. Tema: “Práticas para o aumento de produtividade”. Inscrição R$ 10,00. Almoço
no local.
Programa Básico:
MANHÃ:
 Manejo Genético do Apiário
 Cadeia Forrageira para Alta Produtividade
TARDE:
 Sala de Interesse 1: Manejo Genético do Apiário
 Sala de Interesse 2: Cadeia Forrageira Apícola
 Sala de Interesse 3: Manejos Alimentar e do Ninho
 Sala de Interesse 4: Metodologia para Avaliação
do Enxame,
Manejos da Entretampa e da Cera Alveolada
Plenária de Encerramento