Nome/Razão Social
Produto
Cadastros p/ UF Mun

Logon
Logoff
Me Cadastrar
Alterar meus dados
Colocar meu Link
Ver Links

Ver Cursos

Abelhas Nativas ASF
Espécies x UF

Colocar Pago
Colocar Grátis
Ver Anúncios

Abelhas Nativas ASF
Abelhas APIS
Outros Assuntos

Ver tópicos

Cadastrar / Enviar
Ver / Ler

Mala associativa
Mala comercial
Mala comercial HTML

Bloco de Notas
Favoritos
Últimos Cadastrados
Fornecedores
RSS

Minhas Receitas
Ver Receitas

Fale conosco
Convide um Apicultor

O Que é APISGUIA
Quem somos
Porque é Grátis
Porque me cadastrar
O que é COD-ID
CBA FED ASSOC.
Autorizações
Problemas eventuais

Estatísticas
Estatísticas 2
 
Visitas após 07/2005
3.983.851
IP: 162.158.79.89


Informativo - nº090 - Agosto de 2008 - roberto de a silva
Nome: roberto de a silva
Endereço: rua dos funcionários, 1559
Bairro: cabral
CEP: 80035050
Município - UF: Curitiba - PR
E-mail: MANDAR E-MAIL
- Informativo -
BOLETIM
DICAS & NOTÍCIAS & INFORMAÇÕES APÍCOLAS
Ano II - nº 90 - 11 de Agosto de 2008
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

LEIA NESTA EDIÇÃO:

1 – Um minuto de Reflexão; 2 - Seprotur realiza discussão sobre apicultura no interior do
Estado; 3 - BA: qualidade e segurança alimentar do mel produzido no Estado é meta da
Adab; 4 – Artesanato - Piauí ensina a produzir cosméticos com leite de cabra e mel; 5 –
Inverno para cuidar das abelhas; 6 - Vereador quer inserir mel no cardápio da merenda
escolar; 7 - Informação Técnica: ASTRAPÉIA; 8 - Mel: o doce sabor do eucalipto; 9 –
Projeto - Apicultura é valorizada com parceria da Unitau; 10 - Mel produzido nas
montanhas capixabas é vendido no Rio de Janeiro; 11 - EE.UU.- SALVE O NOSSO
ABELHAS: AMBIENTALISTAS AVALIAR O IMPACTO DOS SERES HUMANOS NA
POLINIZAÇÂO; 12 – EE.UU.- AS TOXINAS SÂO MATAR AS ABELHAS?; 13 - REINO UNIDO-
FILME PARA EXPLORAR O DECLINO DAS POPULAÇÔES DE ABELHAS E SÍNDROME DE
COLPASO DAS COLMEIAS; 14 - FRANÇA - ABELAHAS DO ALTO DO RHIN DIZIMADAS POR
NOSEMA; 15 – EE.UU.- PROVA QUE OS PESTICIDAS ESTÂO A AFECTAR SERIAMNETE
SOBRE AS NOSSAS ABELHAS; 16 - ITALIANO- PESTICIDAS CULPADO PELA MORTE DE
ABELHAS ; 17 - EE.UU.- A PERDA DE MILHÔES DE ABELHAS LEVANTA QUESTÔES SOBRE O
CONTROLO DE PESTICIDAS; 18 - Apicultores do litoral norte do Rio Grande do Sul criam
associação; 19 - Mapa certifica laboratório da Iagro para análises de controle oficial; 20 -
Unicentro promove mini-curso de Boas práticas apícolas"; 21 - Pesquisadores da UNESP,
USP E INSTITUTO BUTANTAN criam primeiro soro antiveneno de abelhas; 22 - CE: criação
de mel gera oportunidades em Pentecoste; 23 - Projeto Apicultura do Litoral - Curso
ensina a produzir cosméticos à base de leite e mel; 24 - Itabela: Diretor do Sebrae visita
apicultores; 25 – 4º Encontro Paranaense de Apicultura: dia 10 de outubro de 2008; 26 -
Prorrogado o prazo da Consulta Pública sobre o RIISPOA .
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

1 – Um minuto de Reflexão

. “ O homem de bem exige tudo de sim próprio; o homem medíocre espera tudo dos
outros.” - (Confúncio)
. “ Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua
ignorância vive a mais profunda ilusão.” - (Lao Tse)
--------------------------------------------------------------------------------------------------------
2 – Seprotur realiza discussão sobre apicultura no interior do Estado

A Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), em parceria com a
prefeitura municipal de Selvíria, realiza hoje (2), logo mais às 14h, no município, a
palestra “Apicultura: Produtividade e Mercado no Mato Grosso do Sul”. De acordo com a
Seprotur (Secretaria de Produção e Turismo do Estado) o objetivo é levar aos produtores
informações concretas de manejo e comercialização. A apicultura é uma área em franco
desenvolvimento no Estado, que vem apresentando resultados positivos e deve crescer
ainda mais este ano.

A palestra será ministrada pelo médico-veterinário e coordenador da Câmara Setorial de
Apicultura, Gustavo Bijos. O evento será na sede da Promoção Social de Selvíria,
localizada na Avenida João Selvírio de Souza, 1010.

Fonte: Apacame-Web - Veículo: Correio do Estado - Seção: Artigos - Data: 02/08/2008 -
Estado: MS
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

3 - BA: qualidade e segurança alimentar do mel produzido no Estado é meta da Adab

Salvador/BA - Tendo como objetivo preservar a segurança e a qualidade do mel produzido
na Bahia, a Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) inicia em agosto a inspeção
e o georeferenciamento das 22 casas de beneficiamento de mel conveniadas pela
superintendência de Agricultura Familiar (SUAF). Serão avaliadas as condições físicas e as
coordenadas geográficas para que estes estabelecimentos possam ser inseridos no
Serviço de Inspeção Estadual (SIE), o que garante a inclusão desses produtos no mercado
com garantia de qualidade e procedência. Ao todo, a inspeção vai beneficiar mais de mil
famílias de agricultores.

Segundo o diretor-geral da Adab, Altair Santana, após a inspeção os estabelecimentos
apícolas serão, periodicamente, visitados por técnicos da agência, conforme a época de
floração de cada região. “Esta ação vai possibilitar recolher um maior número de dados
sobre a produção, assim como a quantidade da colméia e a época de cada colheita”,
explicou.

Fortalecimento e Desenvolvimento - Esta ação faz parte do Programa de Fortalecimento e
Desenvolvimento da Apicultura Baiana, desenvolvida pela Secretaria de Agricultura
(Seagri), que visa fortalecer a cadeia produtiva apícola da agricultura familiar. A previsão
é que nos próximos dois anos sejam georeferenciadas mais 70 casas de beneficiamento
de mel. Contudo, a meta da Adab é registrar todas as casas de mel no SIE até 2010.

A Adab está organizando o Dia de Campo para os apicultores e treinamentos para os
manipuladores, que serão orientados sobre boas práticas de manipulação dos
equipamentos e das instalações, desde a produção até o processamento, bem como
higiene pessoal. O objetivo destes encontros é conscientizar os apicultores quanto à
responsabilidade pela qualidade da produção e comercialização dos seus produtos.

Fonte: Ascom Adab - Apacame-Web - Veículo: Página Rural - Seção: Notícias - Data:
01/08/2008 - Estado: RS
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

4 – Artesanato - Piauí ensina a produzir cosméticos com leite de cabra e mel

Iniciativa vai beneficiar cerca de 20 mulheres, familiares de apicultores de comunidades do
município de São João da Fronteira, 226 km ao norte de Teresina.

Antônia Pessoa - Teresina - Neste fim de semana, dias 2 e 3 de agosto, o Sebrae no Piauí,
por meio do Projeto Apicultura do Litoral Piauiense, promove curso de Cosméticos à Base
de Leite de Cabra e Mel. O treinamento vai beneficiar cerca de 20 mulheres, familiares de
apicultores, das comunidades Malhada das Pedras, Aroeira, Cachoeira, Ilha da Ioca e Bela
Vista dos Nunes, localizadas no município de São João da Fronteira, a 226 quilômetros ao
norte de Teresina.

Durante o curso, que será ministrado pela instrutora Tereza Melo, as participantes vão
aprender técnicas de fabricação de sabonete, sabão líquido, xampus, cremes e ceras,
entre outros produtos, que podem ser utilizados na higiene pessoal ou destinados à
comercialização.

"A idéia é ensinar a essas mulheres outras formas de utilização do leite de cabra e do mel
como forma de agregar valor aos produtos familiares, gerando um incremento de renda
nessas localidades", afirma o gestor do Projeto Apicultura do Litoral Piauiense, Paulo
Alexandre Cruz Carvalho.

Ainda segundo o gestor, o curso foi uma demanda das próprias mulheres, as quais
desejam diversificar a produção e garantir melhoria de vida em suas comunidades. "O
xampu à base de leite de cabra e o sabonete de mel são os produtos mais requisitados
nesses treinamentos", acrescenta Carvalho. Segundo dados do Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística (IBGE), registrados em 2006, o município de São João da Fronteira
produz cerca de 600 quilos de mel anualmente.

"Com as capacitações oferecidas pelo Sebrae, a produção de mel na região teve um
aumento considerável e a tendência é que a cada dia essa produção cresça mais e com
qualidade", finaliza o gestor. Mais informações no Escritório do Sebrae em Piripiri,
localizado na Rua Santos Dumont, nº 735, Centro, ou pelo telefone (86) 3276-0179.

Serviço: Escritório do Sebrae em Piripiri - (86) 3276-0179 - Gerente Élcio de Lima Nunes –
(86) 9429-5451

Fonte: APACAME-Web - webapacame@terra.com.br - 1/08/2008
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

5 – Inverno para cuidar das abelhas

(josiane.weschenfelder@zerohora.com.br) – Josiane Weschenfeldere - Estação exige
manejo adequado para a alimentação - Como as abelhas ficam mais vulneráveis no
inverno, por causa dos períodos de frio, chuva e falta de flores, esse é o momento dos
apicultores redobrarem os cuidados com a colméia. Isso se faz necessário para que o
enxame não morra e possa voltar a produzir na primavera.Mas como o clima tem
colaborado, o apicultor José Horn, por enquanto não colocou alimentação artificial para os
50 enxames que ele tem em produção no município de Estrela.

- Como fizeram muitos dias ensolarados e com pouca chuva, as abelhas ainda conseguem
trabalhar bastante - observa o produtor. As abelhas se abastecem num raio de três
quilômetros, principalmente numa grande astrapéia na propriedade de Horn. Trata-se de
uma árvore com flores rosas - mas também existem brancas - que floresce em pleno
inverno e é apreciada pelos insetos.

Segundo o engenheiro agrônomo Paulo Francisco Conrad, assistente técnico da Emater
Regional de Estrela, o apicultor Horn está agindo certo. Enquanto perceber que os
enxames ainda localizam alimentação na natureza, não deve oferecer reforço artificial,
porque ele será refugado. Esses insetos precisam de água, carboidratos, proteínas, lipídios
e sais minerais encontrados na água, no néctar das flores e no pólen. Tudo isso pode ser
fornecido com um simples xarope feito de água morna e açúcar (com iguais medidas), que
deve ser consumido em até dois dias. Caso contrário fermentará, trazendo prejuízos às
abelhas.

- Existem várias formas de fornecer o alimento, por meio de alimentadores especialmente
desenvolvidos para isto. Mas deve-se ter cuidado ao fazer esta prática. Malfeita, pode
atrair formigas para a colméia e provocar problemas - alerta Conrad.

O engenheiro agrônomo acrescenta que além da alimentação, o apicultor precisa evitar a
entrada de vento frio no interior da colméia, utilizando redutores de alvado (abertura
localizada na frente da caixa, na parte inferior, para entrada e saída das abelhas).
Também deve facilitar a chegada de sol à colméia, assim como protegê-la da chuva. Entre
outras práticas, manter o apiário sempre limpo e um rígido controle dos inimigos naturais
das abelhas (formigas e traças).

Outra medida necessária, que também já vem sendo tomada por José Horn, é não colher
o mel no inverno, deixando uma reserva para alimentação das colméias. No Estado, este
mês, o quilo do mel para o consumidor está custando em média de R$ 8 a R$ 10, cerca de
10% a mais do que no mesmo período do ano passado. Segundo o presidente da
Federação Apícola do Estado, Aroni Sattler, o aumento se deve à liberação das
exportações do produto para a Europa, ocorrida há dois meses.

Saiba mais- O Rio Grande do Sul produz 18% do mel nacional, uma média de 7,2 mil
toneladas por ano. É o maior produtor do país- São cerca de 27 mil apicultores- Existem
duas safras anuais: março a maio, e setembro a novembro- No ano passado, os
apicultores gaúchos colheram 2,4 mil toneladas de mel no segundo semestre.

Foi considerada uma safra fraca, em decorrência de uma primavera muito chuvosa e com
clima instável- Este ano, a expectativa é de que safra do mesmo período seja de 4,5 mil
toneladas.- No inverno, aumenta o consumo do mel, utilizado como remédio para
tratamento de gripes e tosses. Também é um adoçante natural e um dos energéticos mais
rapidamente absorvidos pelo organismo humano.Fonte: Federação Apícola do Rio Grande
do Sul

Multimídia - Árvore astrapéia é muito apreciada pelos enxames em produção na
propriedade do apicultor José Horn, de Estrela

Fonte: WebApacame - Veículo: Zero Hora - Seção: Edição Impressa - Data: 25/07/2008 -
Estado: RS
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

6 - Vereador quer inserir mel no cardápio da merenda escolar

A Câmara Municipal de Campo Grande fecha o recesso legislativo nesta sexta-feira (dia
1º) e retoma os trabalhos para o segundo semestre do ano, colocando em discussão o
Projeto de Lei que visa a obrigatoriedade da inclusão do mel de abelha no cardápio da
merende na Reme (Rede Municipal de Ensino). A autoria é do projeto de número 6.485/08
é do vereador Marcelo Bluma (PV) e segue em tramitação, aguardando parecer das
comissões competentes, para em seguida ser analisada e votada em Plenário pelos
demais vereadores. Pela proposta, a inclusão do mel de abelha será de responsabilidade
do nutricionista responsável pela elaboração do cardápio, que definirá a quantidade e a
freqüência da oferta na alimentação prevista nesta norma.

Marcelo Bluma ressaltou a importância de incluir o mel na refeição diária das crianças e
jovens de Campo Grande devido à riqueza nutricional do alimento. “O mel é um alimento
especial possuidor de extraordinária energia, muito rico em cálcio, fósforo, carboidratos,
com diversas vitaminas, sais minerais, proteínas e aminoácidos de fácil digestão”, justifica.
O mel contém princípios ativos que promovem o crescimento e melhoram a vitalidade
corporal, revigoram o intestino de pessoas debilitadas, auxiliam no controle de doenças
cardiovasculares, no funcionamento do coração, protege o cérebro, o fígado, e são muito
eficazes no tratamento de problemas respiratórios e pulmonares tais como: gripes,
resfriados e pneumonias, além de ser um antibiótico natural.

Além disso, o mel ativa as funções do cálcio e do fósforo nos ossos, dentes e unhas.
Possui propriedades levemente laxantes. É antioxidante; ajuda na proteção da membrana
das hemácias e do organismo contra substancias carcinogênicas. Marcelo Bluma revelou
ainda que “ingerir mel regulamente ajuda a prolongar e dar uma melhor qualidade a sua
vida, ressaltando, ainda, que o mel é importante para todas as pessoas, principalmente
para idosos, crianças no período escolar e para esportistas”.

Conforme a OMS (Organização Mundial de Saúde), o mel é o alimento mais completo da
natureza, oferecendo mais de 70 substancias essenciais ao organismo.

Fonte: Apacame-Web – Veículo: Maracaju News - Seção: Notícias - Data: 29/07/2008 -
Estado: MS
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

7 - Informação Técnica: ASTRAPÉIA

A nossa conhecida Astrapéia cumpre um importante papel na ativação dos enxames ainda
durante o inverno, já que se constitui em uma das poucas fontes de pólen e néctar durante
os meses de julho e agosto. Embora não sendo uma melífera por excelência, pois seu
néctar é de baixa densidade de açúcares, agindo junto com o pólen como estimulante para
a melhora biológica do enxame e sendo usado como solubilizante do opérculo dos favos do
ninho com reserva de mel, facilitando o seu aproveitamento com maior eficiência e rapidez
na sua mobilização para ser usado como alimento.

Na cadeia forrageira da abelha é a 1ª árvore com flores disponíveis já no inverno, seguida
da pitangueira e do eucalipto na primavera. Para compreender a sua importância
apresentamos o resumo de trabalho por nós realizado.

CONTRIBUIÇÃO DA ASTRAPÉIA ROSA - NA PRODUÇÃO DE MEL E CONDIÇÃO DO ENXAME

Prof. MSc. Paulo Roberto Pires Figueiró,
Médico Veterinário, Resp. Técnico da Assoc. Cachoeirense de ApicultoresACAPI, Cachoeira
do Sul – RS.

RESUMO

Foi avaliada a condição biológica e a produção de mel dos enxames de 45 colméias de
apiário SEM a presença da Astrapéia rosa e de apiário com 15 colméias COM a existência
de 45 pés de Astrapéia, densidade 2,5 por colméia, todos com mais de 3 anos. Os dados
correspondem às safras de 2001 a 2006. As colméias sem acesso à Astrapéia produziram,
em média, 16,96kg/ano, enquanto as COM a presença da mesma produziram
23,80kg/ano.

Quanto à condição dos enxames avaliados nos meses de setembro/outubro, os SEM
acesso à Astrapéia foi de 5,93 pontos, correspondendo à classificação média (X) e, os
COM a presença de Astrapéia foi de 6,27 pontos, correspondendo à classificação positiva
(+) na escala utilizada.

Constatou-se um efeito positivo na produção de mel na primavera e pós-primavera,
resultando em um aumento da produção total de +27,3% ao longo dos seis anos
analisados, bem como uma condição biológica melhor para armazenagem do mel, visto
que a classificação positiva (+) significa que os enxames alcançaram uma pontuação entre
6,1 a 7,0 na escala, significando um enxame com população adequada para a produção de
mel, já iniciando a deposição de mel na melgueira, com 4 a 6 quadros de cria plena e
postura regular da rainha.

Já os SEM a presença da Astrapéia tiveram uma evolução mais lenta, a classificação média
(X) tem pontuação entre 3,1 a 6,0, significando um enxame com população adequada para
sobrevivência e com potencial evolução para a produção de mel, não apresenta mel na
melgueira, com 3 a 4 quadros de cria e postura regular da rainha, é o tipo de enxame que
perde a florada da primavera, neste trabalho produziram 2,36kg até outubro, enquianto os
da Astrapéia (+) alcançaram 5,55kg em média, aproveitando com mais eficiência a florada
do Eucalipto predominante na região.

Fonte: Informativo ACAPI - 05/2008 - Cachoeira do Sul – RS – julho -
Prof. Paulo Figueiró - prpfigueiro@yahoo.com.br
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

8 - Mel: o doce sabor do eucalipto

O eucalipto é usado no Brasil em florestas plantadas para extração de madeira e também
na produção de celulose, papel, farmácos, móveis, carvão vegetal. Mas o setor que está
crescendo muito nos últimos anos é o de mel de eucalipto. As espécies do eucalipto são
diversificadas e as que apresentam melhores floradas são a Urofila, Grandis, Citriodora e
Saligna como explica Carlos Dallasta, apicultor há 26 anos.

Segundo Dallasta, o eucalipto tem um grande potencial para a produção de mel. A florada
do eucalipto começa a partir dos três anos de idade. Cabe ao apicultor colocar as colméias
próximas às plantações e esperar o tempo necessário para a colheita. É nessa época que
as condições são favoráveis para a produção do néctar e do pólen da árvore que atraem
as abelhas.

As orientações de Dallasta para a colheita é utilizar roupas adequadas para manusear as
colméias e também fazer fumaças simulando um incêndio para que a abelha encha o
abdômen de mel dificultando a picada. Segundo o apicultor o clima de Mato Grosso do Sul
é um dos fatores positivos para o setor.
Fonte: http://painelflorestal.com.br/exibeNews.php?id=997 - 24/07/2008
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

9 – Projeto - Apicultura é valorizada com parceria da Unitau

Os apicultores da cidade de Monteiro Lobato estão participando do projeto de
Desenvolvimento da Apicultura do Município junto com a Universidade de Taubaté (Unitau).
A oportunidade surgiu em outubro de 2007 com a classificação do projeto entre os dez
melhores no 11º Concurso Banco Real – Universidade Solidária (Unisol).

Ao todo foram enviados mais de duzentos projetos dos quais os vencedores recebem R$
40.000 da Unisol ao longo de um ano para desenvolverem atividades que melhorem a
qualidade de vida das comunidades. A oportunidade dada aos apicultores tem como
objetivo auxiliá-los com toda a assistência técnica necessária em diversas áreas, desde a
reconstrução da Casa do Mel até a parte de manejo e divulgação do mel produzido.

Desde o início, os apicultores, que fazem parte da Associação dos Pequenos Produtores
Rurais (APPR), têm percebido as mudanças na qualidade da produção do mel. Para a
apicultora Rosana Ribeiro de Andrade Lima, todos eles deixaram de ser "abelheiros" para
serem apicultores.

A produção de mel com higiene e alta qualidade está entre as perspectivas dos
apicultores. E com todo essa nova preparação iniciada com o projeto os apicultores estão
conseguindo tirar o dobro da quantidade de mel que obtinha antes.

Fonte: Apacame-Web – Veículo: Taubate.com - Seção: Notícias - Data: 05/08/2008 -
Estado: SP
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

10 - Mel produzido nas montanhas capixabas é vendido no Rio de Janeiro

A primeira entrega de mel deverá acontecer na próxima semana MARECHAL FLORIANO –
Uma nova linha comercial foi aberta para o mel de abelhas produzido na zona rural de
Marechal Floriano. A apicultura caseira profissional e de alta qualidade do município, que
encontrava dificuldade para vender o produto, deverá fechar contrato com uma
cooperativa carioca. A primeira entrega de mel para estabelecimentos comerciais, por
meio de uma cooperativa, deverá acontecer na próxima semana. Um total de três
toneladas, embaladas em baldes de 25 quilos, será encaminhado de Boa Esperança, em
Marechal Floriano, para Porciúncula, no Rio de Janeiro.

O secretário de Agricultura da cidade, José Luiz Sudré, disse que os 12 apicultores de
Marechal Floriano viraram a página da história, que até há poucos dias era somente de
pessimismo após a remoção do mel. “Quando o trabalho estava concluído e o produto
depositado nos barris, começava o problema da venda”, lembrou. A Cooperativa de
Apicultores de Porciúncula, Rio de Janeiro, segundo Sudré, interessou-se pela produção de
mel dos criadores de Marechal Floriano a partir de uma excursão técnica realizada na
cidade fluminense pelos profissionais em apicultura. Um total de três toneladas de mel
será encaminhado para o Rio de Janeiro “Os nossos apicultores mostraram que são
capazes de produzir com a melhor qualidade do Brasil”, completou Sudré. O secretário
ainda informou que uma cooperativa semelhante á da cidade Porciúncula será criada em
Marechal Floriano, para organizar principalmente os setores de produção e
comercialização.

O projeto de agroturismo – Rua de Lazer – que será desenvolvido, segundo o secretário,
será a vitrine para o mel produzido no município. “Neste programa teremos a Feira da
Roça, que deverá ter estandes ocupados pelo mel e outros produtos de proporções
semelhantes na qualidade”, disse.

Para os irmãos Cornélio Littig e Milton Littig, que herdaram dos pais o amor pela atividade
de produção de mel, a entrega de aproximadamente três toneladas de mel para a
Cooperativa Apícola de Porciúncula é o início de uma nova fase na profissão. “Já fazíamos
com muito amor, agora o prazer de trabalhar será muito maior. A qualidade da nossa
produção foi reconhecida e não teremos mais problemas com estocagem excessiva, como
ocorria”, concluiu Littig.

Fonte: Apacame-Web - Veículo: Folha Vitória - Seção: Economia - Data: 05/08/2008 -
Estado: ES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 - EE.UU.- SALVE O NOSSO ABELHAS: AMBIENTALISTAS AVALIAR O IMPACTO DOS
SERES HUMANOS NA POLINIZAÇÂO

A rainha dos polinizadores é indiscutível a abelha, cujos voos diários polinizam metade da
floração fábricas ao redor do mundo. No entanto, recentemente, um inexplicável declínio
nas populações de abelhas tem comprometido a saúde dos ecossistemas e as culturas. Na
sessão, na reunião anual da Sociedade Americana de Ecologia (ESA), os cientistas
estudaram o problema da perda de habitat para determinar o que pode ser feito para
manter as abelhas.

Fonte: Notícias Apitrack nº 51 – 07/08/2008 - newsletter@apitrack.com - "APACAME-Web"
- apacameplenario@yahoogrupos.com.br
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

12 – EE.UU.- AS TOXINAS SÂO MATAR AS ABELHAS?

Há cada vez mais motivos para acreditar que um pesticida Gaucho e outros membros de
uma família de produtos químicos altamente tóxicos - neonicotinóides - pode ser
responsável pela morte de milhares de milhões de abelhas em todo o mundo. Alguns
cientistas acreditam que esses pesticidas são aplicados às sementes, de forma sistêmica
viajar através da planta e deixar resíduos que poluem o pólen, resultando em morte ou
paralisia de abelhas.

Fonte: Notícias Apitrack nº 51 – 07/08/2008 - newsletter@apitrack.com - "APACAME-Web"
- apacameplenario@yahoogrupos.com.br
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

13 - REINO UNIDO- FILME PARA EXPLORAR O DECLINO DAS POPULAÇÔES DE ABELHAS E
SÍNDOME DE COLPASO DAS COLMEIAS

Um filme a investigar o declínio das colmeias mundo vai continuar após o seu criador foi
apoiada por alguns dos melhores organizações não-governamentais (ONGs) no Reino
Unido. O Diretor James Erskine está colaborando com as duas Américas cineastas para
produzir ", na companhia de abelhas", um documentário que explora a síndrome de
Colpaso As colmeias (CCD) e outros factores ambientais que levam a este fenómeno.

Fonte: Notícias Apitrack nº 51 – 07/08/2008 - newsletter@apitrack.com
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

14 – FRANÇA- ABELAHAS DO ALTO DO RHIN DIZIMADAS POR NOSEMA

Abelhas do departamento são vítimas de um agente patogénico contagiosa, Nosema. O
micróbio causar mortalidade e uma diminuição significativa na atividade no interior das
colmeias. A prefeitura afirmou não havia qualquer risco de infecção para os seres
humanos e que todos os produtos apícolas permanecem impróprios para consumo.

Fonte: Notícias Apitrack nº 51 – 07/08/2008 - newsletter@apitrack.com
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

15 – EE.UU.- PROVA QUE OS PESTICIDAS ESTÂO A AFECTAR SERIAMNETE SOBRE AS
NOSSAS ABELHAS

Dave Hackenburg tem feito uma série de perguntas sobre os pesticidas. Se você tem
alguma coisa a ver com a Síndome de colapso das colmeias (RCD) ou não é menos
importante, que, se esses produtos químicos, e seus múltiplos acumulações estão a causar
riscos significativos para as abelhas, ou pessoas, que ainda está para ser visto . E sobre
esta complexa agroquímicos que Dave descreve? O que é que a Bayer, Syngenta,
Monsanto e outras empresas têm guardado para nós. Dave disse: "Ainda não sabemos o
que está acontecendo, ou por quê. No entanto, as abelhas estão morrendo, e melhor do
que nós sabemos o que causa ... rápido."

Fonte: Notícias Apitrack nº 51 – 07/08/2008 - newsletter@apitrack.com
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

16 - ITALIANO- PESTICIDAS CULPADO PELA MORTE DE ABELHAS

A União dos apicultores italianos (UNAAPI) e da associação agrícola Coldiretti, já soou o
alarme ao longo de um maciço morte de abelhas durante o ano passado, os agricultores
que iria custar 2,5 milhões de euros. Referindo-se una'epidemia silênciosa' disse UNAAPI
entre 40% e 50% do país em termos de abelhas desapareceram desde o início do ano
passado. 'Um grupo de novos pesticidas são chamados genericamente neonicotinóides
matar as abelhas,'disse o presidente do UNAAPI Francesco Panella. 'Essas substâncias
foram autorizados pela forma irresponsável o governo cedeu às pressões da indústria
química.'

Fonte: Notícias Apitrack nº 51 – 07/08/2008 - newsletter@apitrack.com - "APACAME-Web"
- apacameplenario@yahoogrupos.com.br
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

17 - EE.UU.- A PERDA DE MILHÔES DE ABELHAS LEVANTA QUESTÔES SOBRE O
CONTROLO DE PESTICIDAS

Há cada vez mais motivos para acreditar que gaúchas e de outros membros de uma
família de produtos químicos altamente tóxicos - neonicotinóides - pode ser responsável
pela morte de milhares de milhões de abelhas em todo o mundo. Alguns cientistas
acreditam que esses pesticidas são aplicados às sementes, viajando por todo o chão e
deixar resíduos que poluem o pólen, resultando na morte de abelhas ou paralisia do
mesmo.

O francês remeter para este efeito como "loucos abelha doença", em 1999 foram os
primeiros a proibir o uso dessas substâncias, as quais são actualmente apenas
comercializados pela Bayer (a aspirina pessoas), sob a denominação comercial e Gaúcho
Poncho. Alemanha seguiu o exemplo deste ano, ea sua investigação agrícola instituto disse
que concluíram que o envenenamento de abelhas é devida aos pesticidas clothianidin (que
fazem parte do Pancho) utilizado para curar sementes de milho. Então, por que razão a
Environmental Protection Agency E.U. , em 2002, para conceder uma "emergência"
isenção que permite uma maior utilização do Gaucho - geralmente invocado durante uma
grande infestação - quando apenas alguns besouros são encontrados em blueberries?

Por que a agência também concedido um registo "condicional" para o seu parente
próximo, Pancho, permitindo que o produto químico é liberado para o mercado com
apenas parcial provas? E porque é o corpo, se esconder atrás de uma cortina de "segredos
comerciais", ainda se recusa a revelar se as provas adicionais necessárias nestes casos
foram realizadas e, em caso afirmativo, com que resultados?

Fonte: Notícias Apitrack nº 51 – 07/08/2008 - newsletter@apitrack.com - "APACAME-Web"
- apacameplenario@yahoogrupos.com.br
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

18 - Apicultores do litoral norte do Rio Grande do Sul criam associação

Entidade comercializará 700 kg de mel inspecionados pelo Serviço de Inspeção Federal em
feira nacional.

Para atender às exigências da vigilância sanitária e garantir a qualidade do mel produzido
no litoral norte do Rio Grande do Sul, a recém-criada Associação dos Apicultores de Santo
Antônio da Patrulha (Aasap) vai apresentar na Feira Nacional da Cana-de-Açúcar,
Rapadura, Sonho e Arroz (Fenacan), de 13 a 17 de agosto, sua primeira produção de 700
quilos de mel certificado. O produto terá o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF), do
Ministério da Agricultura.

A implantação da Aasap conta com o apoio do programa Juntos para Competir, ação
impulsionada pelo Sebrae-RS, pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul)
e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). O programa busca organizar e
aprimorar as cadeias produtivas do agronegócio no Rio Grande do Sul, como a
bovinocultura de corte, a suinocultura, a ovinocaprinocultura, a fruticultura, a floricultura, a
vitivinicultura, a apicultura e a cultura da cana-de-açúcar e seus derivados.

O mel, produzido por oito apicultores de Santo Antônio da Patrulha e de Caraá, que
integram a Aasap, será comercializado no estande da associação em embalagens de 1 kg
e de 500 g. Os 700 kg de mel estão sendo envasados na Casa do Mel do município de
Caraá, com inspeção do Ministério da Agricultura.

Conforme o presidente da Aasap, apicultor José Antônio Mendes de Oliveira, a expectativa
da entidade é conquistar os consumidores locais para depois expandir a produção. Para
ele, a produção atual do grupo, em condições ideais de clima, é de duas toneladas por ano
e pode ser expandida com a entrada de novos associados.

– O mel legalizado nos possibilita atingir mercados em todo o País, mas, inicialmente,
queremos ser reconhecidos na cidade – afirma. Segundo o técnico do Sebrae/RS e gestor
do projeto, Thiago Camargo, o lançamento dos produtos da Aasap durante a feira
fortalecerá a imagem do produto com inspeção federal na cidade.

– O objetivo é colocar nas gôndolas do mercado regional produtos produzidos por
apicultores da região com toda a segurança alimentar exigida para distribuição no
território nacional. Com isso queremos mostrar que é possível a profissionalização do
setor sem perder a condição de agricultura familiar. Segundo Camargo, a associação está
formando uma comissão com entidades e apicultores para debater ações de combate à
comercialização informal, grande entrave para o desenvolvimento profissional da
atividade.

– Antes, os apicultores não tinham acesso à formalidade, mas, quando existe uma
associação que oportuniza a formalidade temos a obrigação de instruir e encaminhar os
produtores no caminho correto – acrescenta o gestor.

Fonte: SEBRAE-RS – http://www.clicrbs.com.br/canalrural/ - 03/08/2008
--------------------------------------------------------------------------------------------------------
19 - Mapa certifica laboratório da Iagro para análises de controle oficial

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) credenciou no dia 31 de julho
de 2008, através da portaria nº 104, o Laboratório de Diagnóstico Animal (Laddan), da
Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro), para realizar análises na
área de diagnóstico animal de amostras do Controle Oficial e Programas específicos do
Mapa.

O reconhecimento dispensado ao Laddan se deve a experiência no diagnóstico da febre
aftosa e por apresentar estrutura física, técnica e operacional compatível com os critérios
de excelência exigidos pelos auditores do Mapa.

O laboratório disponibiliza para os setores do agronegócio da carne, ovos e leite, mediante
reembolso pecuniário, exames laboratoriais de diagnósticos de doenças e de qualidade de
produtos da avicultura, estrutiocultura, suinocultura, eqüinocultura, caprinocultura,
ovinocultura, apicultura, piscicultura, bovinocultura e bubalinocultura.

As mudanças e o reaparelhamento do laboratório começaram em janeiro de 2007. O
governo do Estado investiu em treinamento para os técnicos responsáveis pela realização
das análises e comprou equipamentos laboratoriais de última geração para que o Laddan
recebesse o credenciamento.

Segundo Roberto Rachid Bacha, diretor presidente da Iagro, o nível de excelência
alcançado pelo Laddan, tendo em vista a importante conquista do certificado de área livre
de febre aftosa com vacinação, firma ainda mais a parceria com o público usuário. “As
atividades visam apoiar o sistema de produção, promovendo a higidez nos rebanhos e
melhorando a lucratividade”, afirmou.

O Laddan localiza-se na Avenida Felinto Müller, 1146, Bairro Universitário, Campo Grande.
Os telefones de contato da Iagro são: (67) 3901-2744 e fax (67) 3901-2705.(Com
Assessoria)

Fonte: Gazeta do Povo – Apacame- Web – Veículo: Suinocultura Industrial - Seção:
Equipamentos
Data: 07/08/2008 - Estado: SP
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

20 - Unicentro promove mini-curso de Boas práticas apícolas"

Irati - Quinze famílias dos municípios de Irati, Fernandes Pinheiro e Rebouças
participaram nos dias 31 de julho e 1º de agosto do mini-curso Boas Práticas Apícolas" na
Unicentro. O evento integra o projeto Extensão de tecnologias sustentáveis como fonte
geradora de renda para a agricultura familiar da região Centro Sul do Paraná" e abordou
assuntos referentes à prática racional da Apicultura na diversificação da propriedade rural.

O projeto de extensão é executado pelos departamentos de Engenharia Florestal e
Ambiental da Unicentro, com o apoio do Programa Universidade Sem Fronteiras,
promovido pela Secretaria de Estado da Tecnologia, Ciência e Ensino Superior (SETI) e
pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC). É realizado nos municípios de Irati,
Fernandes Pinheiro e Rebouças. A Associação de Apicultores e Meliponicultores de
Fernandes Pinheiro (AMFEP) é parceira na iniciativa.

Além da capacitação em Apicultura e Gestão Ambiental, realizada pela equipe do Apiário
Rio de Mel" da Unicentro, os participantes receberam na ocasião um “kit” contendo caixas
para abelhas e equipamentos de segurança (macacão, botas, luvas e fumegador) para
iniciar na atividade, comprometendo-se a no prazo estipulado devolver o valor em produto-

mel para que novos agricultores familiares ingressem na rede de fomento.

O projeto também engloba um diagnóstico ambiental de cada propriedade e a implantação
de unidades demonstrativas de práticas de saneamento de baixo custo. O conhecimento
produzido será divulgado em formato de cartilhas didáticas sobre os temas Apicultura",
Floradas apícolas" e Gestão ambiental", que serão distribuídas a todos interessados.

Texto: Profª M.Sc. Gabriela Schmitz Gomes - Coordenadora do Apiário Rio de Mel/
Unicentro - Irati
Fonte: Apacame – Web – Veículo: Jornal Hoje Centro Sul - Seção: Internacional - Data:
06/08/2008 - Estado: PR
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

21 – Pesquisadores da UNESP, USP E INSTITUTO BUTANTAN criam primeiro soro
antiveneno de abelhas

Prezados Listeiros.

É com imensa satisfação para a comunidade apícola brasileira que passamos o
comunicado abaixo.

Até o momento, no mundo inteiro, não tinha sido possível desenvolver um soro eficiente
contra veneno de abelhas. O feito foi realizado por pesquisadores brasileiros e, isso
merece um destaque especial.

Malaspina
CEIS-UNESP
Rio Claro/SP.

***
Pesquisadores da UNESP, USP E INSTITUTO BUTANTAN criam primeiro soro antiveneno de
abelhas

Produto deve estar disponível até o final deste ano. Um estudo realizado por uma equipe
de pesquisadores brasileiros acaba de desenvolver o primeiro soro antiveneno de abelhas.
Iniciado em 2005, atualmente o antídoto está em fase de testes clínicos no Hospital Vital
Brazil e no Hospital das Clínicas da USP, ambos em São Paulo, e deve chegar ao mercado
ainda este ano. A pesquisa, liderada pelo professores Osmar Malaspina e Mario Sergio
Palma, do Centro de Estudos de Insetos Sociais e Depto de Biologia, do Instituto de
Biociências (IB), UNESP, câmpus de Rio Claro, foi apresentada oficialmente no dia
1/8/2008, às 8h30, no auditório do Instituto Butantan, em São Paulo, SP.
De acordo com o trabalho, devido a falta de tecnologia, até o final do século 20, os
cientistas acreditavam conhecer completamente a composição do veneno de abelha.
Entretanto, em 2005, pesquisadores americanos conseguiram seqüênciar o genoma do
inseto, o que comprovou o engano sobre a composição. “Nós praticamente tivemos que
reinventar o veneno”, disse o pesquisador. Para conseguir o antídoto, os pesquisadores
realizaram uma análise proteômica – estudo em larga escala da estrutura e função das
proteínas – do veneno. O teste revelou a identidade de 134 proteínas, a partir dos quais
nove delas foram consideradas inéditas. “O conhecimento sobre a composição detalhada
do veneno nos permitiu compreender os mecanismos de ação do veneno, o que, por sua
vez, nos ajudou a promover diversos testes para controlar a potência e neutralizá-lo”.
Atualmente, os pacientes vítimas de ferroadas de abelhas são medicadas com corticóides,
broncodilatadores, vasodilatadores, hemodiálise entre outras. “O veneno das abelhas pode
ficar no corpo do indivíduo por até dois dias após o ataque”, explica o autor.

Segundo dados do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo,
no ano de 2005, cerca de 3.500 pessoas, no Estado, sofreram ataques de abelhas e
vespas. No mesmo período, também em São Paulo, a taxa de mortalidade subiu de 0,35
para 1,15 por 100 mil habitantes.
O problema também ocorre em países como os Estados Unidos, onde de 1991 a 2001,
533 pessoas morreram vítimas de ataques de abelhas e vespas. Dessas fatalidades, a
maioria ocorreu em até 22 horas. “Além da taxa de mortalidade, nós nos preocupamos
com as seqüelas que um ataque pode deixar, tais como: ulcera crônica, insuficiência renal
crônica, doenças cardíacas, seqüelas neurológicas e até tromboses”, disse Palma.

O soro antiveneno de abelha deve ser utilizado logo após o ataque. Após a aplicação, o
paciente estará saudável em dois ou três dias. Já foi feito o pedido de patente do processo
de produção. Deve ser lembrado que a patente está em nome das entidades que
financiaram o projeto: UNESP, USP, I. Butantan, Fapesp, CNPq, Finep. Os pesquisadores só
são os autores. Maiores informações: malaspin@rc.unesp.br – tel. 19-3526-4169.

Fonte: malaspin@rc.unesp.br - ciadaabelha@yahoogrupos.com.br - 07/08/2008
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

22 - CE: criação de mel gera oportunidades em Pentecoste

Pentecostes/CE - Cerca de 40 famílias das comunidades de Serrota e três Lagoas, no
município de Pentecoste, conseguiram uma nova renda financeira com a criação de mel de
abelhas. Sob a orientação dos extensionistas da Ematerce, os agricultores familiares,
organizados em Associações Comunitárias, iniciaram um trabalho produtivo, que vem
apresentando resultados financeiros satisfatórios, inclusive modificando a maneira de
pensar e de agir diante.

Segundo o gerente local da Ematerce, Francisco Lopes Santos, os 40 apicultores foram
treinados e trabalham com 200 colméias, cuja produção, é de 2.500 quilos de mel, que é
negociada com o Programa Compra Direta da Produção da Agricultura Familiar. Segundo
Lopes, que os criadores tiveram uma renda de R$ 11.480,00, que foi depositado em uma
conta das associações.

Nas orientações técnicas, os extensionistas dão explicações aos agricultores sobre a
importância da criação de abelhas, a colméia, o apiário, a alimentação, o mel e a colheita,
a flora apícola, a identificação e a fecundação da rainha, o zangão, a operária, a postura
diária das abelhas e como produzir mel de qualidade.

Além disso, os agricultores recebem informações sobre como obter maior produção e
resultados financeiros satisfatórios, explorando racionalmente esse tipo de atividade no
campo, incluindo, ainda, a comercialização do mel no mercado local e para outros países.
Por tratar-se de um produto nobre, é sempre bem cotado nos mercados consumidores
brasileiro e estrangeiro.

Fonte: Governo do Ceará – Apacame – Web – Veículo: Página Rural - Seção: Notícias -
Data: 06/08/2008 - Estado: RS
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

23 - Projeto Apicultura do Litoral - Curso ensina a produzir cosméticos à base de leite e
mel

A idéia é ensinar a essas mulheres outras formas de utilização do leite de cabra e do mel.
Sabonete de mel é um dos produots mais requisitados durante esses cursos. Nos dias 02 e
03 de agosto, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Sebrae no Piauí, através
do Projeto Apicultura do Litoral Piauiense, promove um curso de Cosméticos à Base de
Leite de Cabra e Mel.

O treinamento vai beneficiar cerca de vinte mulheres, familiares de apicultores, das
comunidades Malhada das Pedras, Aroeira, Cachoeira, Ilha da Ioca e Bela Vista dos
Nunes, localizadas no município de São João da Fronteira, distante 226 quilômetros ao
norte de Teresina. Durante o curso, que será ministrado pela instrutora Tereza Melo, as
participantes vão aprender técnicas de fabricação de sabonetes, sabões líquidos,
shampoos, cremes, ceras, entre outros produtos, que devem ser utilizados na higiene
dessas pessoas, além de destinados à comercialização.

“A idéia é ensinar a essas mulheres outras formas de utilização do leite de cabra e do mel,
como forma de agregar valor aos produtos familiares, gerando um incremento de renda
nessas localidades”, afirma o gestor do Projeto Apicultura do Litoral Piauiense, Paulo
Alexandre Cruz Carvalho. Ainda segundo o gestor, o curso foi uma demanda das próprias
mulheres, as quais desejam diversificar a produção e garantir melhoria de vida em suas
comunidades.

“O shampoo à base de leite de cabra e o sabonete de mel são os produtos mais
requisitados nesses treinamentos”, acrescenta Carvalho. segundo dados do Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, registrados em 2006,o município de São João
da Fronteira produz cerca de seiscentos quilos de mel anualmente.

“Com as capacitações oferecidas pelo Sebrae, a produção de mel na região teve um
aumento considerável e a tendência é que a cada dia essa produção cresça mais e com
qualidade”, finaliza o gestor.

Maiores informações no Escritório do Sebrae em Piripiri, localizado na Rua Santos Dumont,
nº 735, Centro, ou pelo telefone (86) 3276-0179.

Fonte: SEBRAE – 31/07/2008 – http://180graus.brasilportais.com.br/geral/curso-ensina-a-
produzir-cosmeticos-a-base-de-leite-e-mel-32538.html
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

24 - Itabela: Diretor do Sebrae visita apicultores

ITABELA - Em visita aos municípios do extremo sul, o superintendente do Sebrae na Bahia,
Edval Passos, esteve na cidade de Itabela nesta quarta-feira (06), quando se reuniu com
os presidentes das associações apícolas de Itabela, Idalício Viana, e de Guaratinga, Jorge
Brito, para tratar de questões ligadas ao importante segmento da apicultura.

O superintendente foi informado da atual situação da região, sobretudo da produção de
mel, e das expectativas que os dirigentes e os apicultores vislumbram para o setor. Em
destaque, a consolidação da cooperativa do extremo sul, a conclusão das obras do
entreposto de Eunápolis, e a necessidade de construção de casas de mel ou de unidades
móveis em locais estratégicos para o processamento inicial da produção e posterior
encaminhamento aos entrepostos.

De Itabela, os dirigentes se deslocaram para a cidade de Eunápolis e de lá foram conhecer
o empreendimento privado do apicultor Eliés Valverde, tocado em regime familiar, caso de
sucesso nacional do Sebrae.

Fonte: Apacame-Web – Veículo: Radar64 - Seção: Notícias - Data: 07/08/2008 - Estado:
BA
--------------------------------------------------------------------------------------------------------
25 – 4º Encontro Paranaense de Apicultura: dia 10 de outubro de 2008

O 4º Encontro Estadual de Apicultura acontecerá dia 10 de outubro de 2008 (sexta-feira),
nas dependências do Instituto Emater - PR - Rua da Bandeira, 500.

Como sabem esse evento é um realização da FEPA - Federação Paranaense de Apicultura
(associações e entidades apícolas), com apoio de instituições públicas (SEAB/INSTITUTO
EMATER, SEPL-PRBIODIVERSIDADE, UEM, UFPR) e privadas.

PROGRAMAÇÃO

- 8:00 - 9:00 - Inscrições e entrega de credenciais;
- 9:00 - Abertura com lideranças apícolas e autoridades públicas;
- 09:30 às 10:45 - Palestra 1 - Boas Práticas Apícolas, a cargo de Henrique Breyer, sob a
Coordenação de Paulo Gustavo Sommer - Apicultor;

- 10:45 às 12:15 - Palestra 2 – Agregação de valor nos produtos apícolas, a cargo da
Profª. Drª- Lucimar Pontara Peres - UEM - Maringá, sob a coordenação de Francisco Xavier
Junior (Apicultor e vice-presidente da FEPA);

- 12:15 às 14:00 - Intervalo para almoço;

- 14:00 às 15:15 – Painel 1 - Conjuntura Apícola Nacional, Internacional e Projetos da
CBA, com José Gumercindo Corrêa da Cunha - Presidente da CBA e Câmara Setorial de
Mel e Produtos Apícolas (MAPA), sob a coordenação de Adhemar Pegoraro (apicultor e
presidente da FEPA);
- 15:15 às 17:00 – Assembléia Geral Extraordinária da Federação Paranaense de
Apicultura (FEPA), a cargo de Adhemar Pegoraro - (Presidente da FEPA), dirigentes,
relações públicas regionais e associações/entidades apícolas do PR;
17:00 ás 17:30 – Conclusões e Encerramento.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

26 – Prorrogado o prazo da Consulta Pública sobre o RIISPOA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Secretaria de Defesa Agropecuária –

Departamento de Produtos de origem Animal), editou NOTA TÉCNICA, datada de
30/07/2008, prorrogando o prazo de Consulta Pública para revisão do Regulamento da
Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal (RIISPOA), conforme
segue.

“Em atendimento às inúmeras solicitações recebidas de Associações e sindicatos de
Empresas sob a Fiscalização do Serviço de Inspeção Federal – SIF, pleiteando a
prorrogação do prazo para Consulta Pública da proposta de Revisão do Regulamento da
Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal – RIISPOA, o
Departamento de Inspeção de Produtos de origem Animal – DIPOA, informa que fica
prorrogado o prazo para a apresentação das contribuições, até a data de 15 de setembro
de 2008. Brasília – DF, 30 de Julho de 2008. Nelmon Oliveira da Costa – Diretor do
DIPOA/DAS/MAPA.”

Segundo o MAPA, a nova proposta do Decreto nº 30.961 de 1952 vai atualizar conceitos e
exigências higiênico-sanitárias, previstas na legislação que define os requisitos para o
registro dos estabelecimentos e a fiscalização pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) do
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Para a modernização do Riispoa, o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem
Animal (Dipoa), da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA), criou um grupo de trabalho
composto por fiscais federais agropecuários para coordenar a atualização da lei. Dos 811
artigos do atual Riispoa, 49% foram alterados e outros 47% foram revogados por estarem
obsoletos. Apenas 3,4% dos artigos foram preservados e 290 foram criados. Ao todo, a
proposta do novo Riispoa possui 748 artigos.

Com intuito de harmonizar a nova proposta com a realidade atual dos critérios de
segurança alimentar, o grupo de trabalho considerou dispositivos do Código de Defesa do
Consumidor, as orientações do Códex Alimentarius, as normas do Mercosul, as legislações
internacionais e os acordos sanitários que o Brasil mantém com mais de 150 países com
os quais possui relação comercial. Também foram levados em conta o embasamento
científico e tecnológico e as demais legislações que interferem nas atividades do Dipoa.

Entre as principais alterações, destaca-se a fiscalização periódica das empresas de
beneficiamento de leite e as fábricas de conserva. Essa mudança prevê que os fiscais não
serão fixos nem atuarão mais dentro das empresas, em caráter permanente. Cada fiscal
realizará o trabalho de inspeção, aleatoriamente, num determinado número de
estabelecimentos de uma região. Está previsto, ainda, que os fiscais de um estado farão
inspeções em fábricas e empresas em outras unidades federativas.

Nos estabelecimentos de abate de animais (bovinos, suínos, aves, caprinos, eqüinos e
ovinos) permanece o sistema de fiscalização permanente, em que o fiscal atua dentro da
empresa. Cabe lembrar que a nova proposta do Riispoa cumpre o Código de Defesa do
Consumidor que atribui a responsabilidade primária pela qualidade do produto à empresa
que o produziu. Foram mantidos os artigos do Riispoa que definem as exigências para o
registro dos estabelecimentos, os padrões das instalações das empresas, os
equipamentos, os fluxogramas de produção e as obrigações para controle da produção de
alimentos.

As sugestões para o melhoramento da proposta do texto do novo Riispoa devem estar
fundamentadas técnica e cientificamente. As contribuições devem ser encaminhadas para
o endereço eletrônico: dipoa.riispoa@agricultura.gov.br.

Fonte: http://www.agricultura.gov.br/ - 9/08/2008 – notícias
---------------------------------------------------------------------------------------------------------

SEABDERAL
DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL
Editor Responsável: Roberto de Andrade Silva - andrades@pr.gov.br -
fone: 0xx41-3313.4132 – fax: 3313.4031 - deral@pr.gov.br - www.seab.pr.gov.br